“E se fosse eu? Fazer a mochila e partir” – Um desafio de empatia lançado a nível nacional aos estudantes do ensino básico e secundário, no Dia Internacional Contra a Discriminação Racial para se colocarem na pele de um refugiado e arrumarem as suas mochilas como se estivessem a fugir da guerra, em busca de proteção humanitária.

Em 2016 a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), em colaboração com a Direção-Geral da Educação (DGE), o Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (ACM, I.P.) e o Conselho Nacional de Juventude (CNJ) prepararam o lançamento deste desafio. As perguntas “E se tivesse de partir para fugir da guerra? Se fosse refugiado? O que levaria na mochila?” foram dirigidas à comunidade escolar de todo o país. Pais, alunos e professores foram chamados a refletir sobre a vida daqueles que chegam à Europa em busca de um futuro melhor.